De vez em quando ainda recebo questionamentos de alguns que acreditam que o pensamento Orgânico é uma idéia muito radical. Que não é prudente ser tão radical assim. De que é melhor buscar o equilíbrio entre o pensamento Orgânico e os paradigmas. O fato é que não existe este equilíbrio, ou este meio termo entre paradigmas e Orgânico. O que existe são 2 caminhos, um que ocorre em nossa Consciência e outro que ocorre em nossa Vida Prática. Quero apresentar agora uma analogia interessante para explicar porque não pode existir este meio termo. Veja esses dois copos de água: limpa_suja A água limpa representa o pensamento Orgânico, nossa natureza, e a água suja representa o os paradigmas, a caixa, as crenças. Se você acredita que o ideal seja o equilíbrio, ou um meio termo, entre Orgânico e paradigmas, então você acredita que o ideal seja um copo de água assim: meiolimpa Muito bem, agora eu pergunto: Uma água meio termo entre limpa e suja… é uma água limpa ? ou é uma água suja ? Você beberia esta água “equilibrada” ? A realidade é que todos nós estamos, uns mais e outros menos, com a nossa água suja. E só conseguiremos remover sujeiras quando conseguirmos reconhecer estas sujeiras, ou seja, acreditar que: – Primeiro – Existe água limpa (se não sabemos que existe, continuamos acreditando que o mundo foi feito de água suja. Ficamos igual a pessoa que tem mal cheiro e não sente, ou seja, não sabe nem mesmo a razão de existir desodorante). – Segundo – Quanto mais limpa a água, melhor. (se mesmo sabendo que existe água limpa, continuarmos acreditando que não há como limpá-la, que não faz mal continuar bebendo água suja, ou que um pouquinho de sujeira é bom, então estamos sendo complacentes, ou seja, satisfeitos com a sujeira). Até aqui vai nossa Consciência, ou seja, é fundamental sabermos que existe água limpa, e que é fundamental a prática de remover sujeiras. Na nossa Consciência precisamos estar seguros de que a água cristalina existe e de que quanto mais sujeira se remove, mais próximo dela ficamos, mais limpo fica o copo. – Terceiro – É necessário começar a agir, ou seja, transformar nossa Vida Prática. Começar a limpar a água esforçando-nos todos os dias para remover suas impurezas (cada sujeira removida deixa a água mais limpa, nos permitindo enxergar e viver melhor). Portanto meus amigos, a filosofia Orgânica é água limpa !!! E não se engana limpeza. Ou estamos diariamente removendo sujeiras, ou estamos satisfeitos com ela. Essa história de equilíbrio não existe, é uma grande ilusão de pessoas que ainda acham que a sujeira não é tão suja assim. Nossa vida torna-se mais Orgânicas a partir do momento que tomamos plena consciência, e começarmos a eliminar, continuamente, as sujeiras ou paradigmas que permeiam nossas vidas. As principais sujeiras da qual estamos falando são: 1 – Crença de que as pessoas são passíveis de receberem rótulos (ou julgamentos ou adjetivos). Conforme mencionei em outro artigo, achar que as pessoas são boas, ruins, maduras, imaturas, competentes, incompetentes, enfim, acreditar que as pessoas são isso ou são aquilo, nos fará reconhecer sujeiras onde não existem, e conviver com elas. 2 – Crença de que a felicidade está em algum lugar (ou algumas coisas) adiante, e que precisamos buscar ou alcançar esse lugar (ou essas coisas) para nos sentir felizes. Felicidade e satisfação devem estar aqui e agora. Qualquer expectativa gerada em relação ao mundo, ou às outras pessoas, ou ao futuro, é uma grande sujeira que criamos. Afinal, futuro e passado NÃO EXISTEM. Quanto mais estivermos interagindo com o mundo aqui e agora, no presente, mais estamos sendo felizes. 3 – Crença de que a realização pessoal ou profissional, ou a segurança, vêm do crescimento financeiro ou da posse de coisas materiais. Uma grande sujeira que nos faz viver carentes, ou infelizes, e alimentar a máquina econômica que existe no mundo. Muitas vezes me perguntam se ter um sonho longíquo de um dia ter um barco ou uma BMW também é carência. Ter sonhos é fantástico, eu por exemplo tenho o sonho (na verdade o propósito) de contribuir para que todas as pessoas do mundo vivam organicamente. E estou fazendo o que faço aqui e agora, e possuindo as coisas que possuo aqui e agora, por causa deste sonho (ou deste propósito). Não busco coisas materiais, mas se o mundo quiser me fornecê-as para me ajudar a levar esse sonho adiante, então tudo certo. Se não quiser, tudo certo também. Esta deve ser a nossa baliza para posse de coisas materiais, pois no final do dia não importa o que temos, importa o quanto estamos realizando nosso propósito de vida. Por outro lado, o sonho simplesmente de ter coisas materiais para se sentir bem, ou seja, desvinculado de um propósito maior, só existe para satisfazer o nosso ego. E se precisamos ter nosso ego satisfeito, é um sinal claro que fomos influenciados pela máquina econômica e cultural dos paradigmas, e nos tornamos de certa forma, carentes. Portanto, por mais que isso possa soar doloroso em nossa sociedade consumista e materialista, buscar coisas materiais para satisfação própria também é uma sujeira, é uma idéia que precisa, aos poucos, ir sendo eliminada de nossa vida e de nossas organizações para que consigamos ter uma vida cada vez mais feliz, ou um copo cada vez mais limpo. Desde que queiramos beber água cada vez mais limpa, e de que estejamos trabalhando todos os dias para que, tanto nós, como todas as pessoas de nossa empresa, eliminem cada vez mais as 3 sujeiras acima tanto de suas mentes como de suas atitudes; estamos nos tornando mais Orgânicos. E isso é tudo que importa. Não sabemos se vamos conseguir a água totalmente limpa, e o mais provável é que nunca consigamos. Mas isso é irrelevante. A única coisa que importa é o fato de, a cada sujeira removida, a vida tornar-se melhor. A cada sujeira removida, tornarmo-nos mais felizes. Por Renan Carvalho em 20/05/2013